sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012



Cahiers: Você crê que cada plano, que toda imagem não transmite mais que apenas uma mensagem? Plano, mensagem, do qual a leitura seria única, a comunicação unívoca?
 
Garrel: Em todo caso, toda interpretação intelectual que se dê demole a imagem, os planos. A partir do momento em que eu mesmo ensaio falar, eu vou contra eles, não posso me impedir de destrui-los. Em si, eles se bastam a si mesmos, eles são feitos para serem recebidos, é tudo. O cinema ideal é um cinema que seria recebido por todo mundo da mesma forma, toda a sala estando projetada numa psicose coletiva que é precisamente o filme à medida em que se desenrola. Eis o ponto máximo de perfectibilidade do cinema.

Cerclé sous vide - Philippe Garrel entrevistado por Jean-Louis Comolli, Jean Narboni e Jacques Rivette, Cahiers du Cinéma nº 204, setembro 1968

Arquivo do blog

Seguidores