sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Iônitch

"E nesse momento ela agradou a Startsev, agradou muito, mas havia na moça algo de menos, ou algo de mais - ele mesmo não conseguia dizer o que era exatamente, o fato é que alguma coisa não permitia que sentisse o mesmo de antes. Não lhe agradou a sua palidez, a nova expressão do rosto, o sorriso frouxo, a voz, e pouco depois já lhe desagradava também o vestido, a poltrona em que estava sentada, não lhe agradava lembrar que no passado quase havia se casado com ela. Lembrou-se do seu amor, dos sonhos e desejos que o haviam perturbado quatro anos antes - e sentiu-se constrangido.

Tomaram chá com pastéis doces. Em seguida Vera Iossifovna leu um de seus romances em voz alta, leu sobre coisas que nunca acontecem na vida, Startsev ouvia, olhava pra sua cabeça bonita e grisalha e esperava que a leitura chegasse logo ao fim.

'A mediocridade', pensou ele, 'não consiste em ser incapaz de escrever histórias, mas em ser incapaz de manter escondido aquilo que foi escrito'."

Anton Tchekhov

Arquivo do blog

Seguidores